15 de dez de 2010

the same mistake


        A dor de perder alguém pode ser resumida em apenas uma palavra e essa palavra é corte .
        Até hoje eu já tinha feito dois cortes.  O primeiro doeu. Foi a maior dor da minha vida.
        A lâmina estava ali, parada durante 6 anos e eu nunca havia me cortado,  até que por um pequeno descuido me cortei. Eu realmente não sabia o que fazer.  A dor era tanta, mas tanta e como era meu primeiro corte eu não sabia o que fazer. Eu vivia em função deste corte e eu realmente acho que foi por isso que ele demorou tanto tempo para cicatrizar e eu aceitar aquela marca em meu corpo.
         O segundo corte nem doeu tanto. Eu já sabia o que fazer para que ele cicatrizasse mais rápido. É claro que eu estava com raiva por ter me cortado novamente, mas como eu estava cuidando bem deste corte, a cicatriz nem iria ficar tão grande assim.
         Hoje foi o dia do terceiro corte.
        O terceiro corte... a princípio ele não doeu absolutamente NADA!  Era apenas um incômodo. As lágrimas que saíam de meus olhos e escorriam por minha face não eram de dor, eram de decepção. A decepção por ter me descuidado novamente e ter me cortado mais uma vez. E conforme a minha decepção ia se tranformando em raiva e depois em tristeza, parecia que o corte ia aumentando, ia ficando mais profundo. A minha única vontade era de ficar vendo o sangue jorrar, e ensanguentar toda a região do meu peito, depois minha barriga, minhas pernas , meus pés...  e eu realmente sabia o que iria acontecer se eu não cuidasse daquele ferimento logo...  o que antes era apenas um incômodo se transformara em uma dor insuportável. Eu sabia que se eu não cuidasse desse corte logo ele iria inflamar, demoraria mais para cicatrizar e a marca deichada em meu corpo seria gigantesca. Mas eu precisava deichá-lo do jeito que estava.
         Eu não me orgulho de ter me cortado pela terceira vez. Me orgulho de ter a terceira lâmina aqui, ao meu lado. A partir de hoje eu a carrego para todos os cantos. Durmo ao lado dela, escrevo ao lado dela.   e quando saio de casa, a levo em meus bolsos, minha carteira ou em minha bolsa. Eu simplesmente preciso da lâmina presente a todo instante para eu me lembrar do meu profundo corte, das minhas lágrimas de decepção e principalmente para me lembrar de como não me cortar pela 4ª vez.
         O nome das três lâminas? A primeira se chamava amor.  A segunda se chamava paixão ou então desejo.  A terceira...   bom , essa se chama amor incondicional , mas eu prefiro apelidá-la de Bruno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário